FOTÓGRAFOS SE UNEM PARA CHAMAR ATENÇÃO DO CÂNCER INFANTIL

A menina Ava vivia sempre sorrindo, amava a cor rosa e brilhos. Ela adorava abraçar e dar muitos beijos em todo mundo que amava. Porém, aos quatro anos, a pequena foi diagnosticada com um tipo raro de câncer no cérebro. Uma amiga fotógrafa da família decidiu, então, fazer uma sessão de fotos para gravar para sempre o que Ava tinha de mais encantador: o sorriso.

Foi a partir daí que surgiu o projeto The Gold Hope Project (O projeto da esperança dourada, em tradução livre), criado para chamar atenção ao câncer infantil e dar suporte às famílias que precisam encarar essa doença. Diversos fotógrafos se oferecem para registrar os melhores momentos das crianças para famílias que não podem pagar por uma sessão fotográfica.

Ao mesmo tempo que a alegria dos pequenos fica registrada para sempre, a história de cada um deles é compartilhada no site oficial do projeto, que também arrecada fundos para as pesquisas de oncologia pediátrica e tratamentos.

O objetivo dos fotógrafos é fazer, assim como na sessão com Ava, registrar não apenas uma paciente de câncer, mas uma criança aproveitando a vida, cantando, sorrindo e brincando. Conheça algumas histórias:

KELSIE

The Gold Hope Project/ Art by Jessica
O pai de Kelsie largou o emprego para cuidar da filha, paciente de leucemia, em tempo integral após o diagnóstico.

Diagnosticada com leucemia, atualmente está em fase de manutenção do tratamento após 8 meses de quimioterapia intensiva. Segundo a mãe, após a descoberta do câncer, a família ficou mais unida e, agora, aproveita mais as “pequenas coisas” com Kelsie.

BRENDAN

The Gold Hope Project/ Kate Hazell Photography
Brendan foi diagnosticado com câncer na retina aos 13 meses, mas, após tratamento intensivo, se livrou da doença

Com apenas 13 meses, os pais de Brendan descobriram que seu segundo filho sofria de uma retinoblastoma, um tumor da retina. O menino passou pelo tratamento e, hoje, aos seis anos, já está há quatro livre do câncer.

KAYDIN

The Gold Hope Project/ Haven Photography
Kaydin tem apenas um ano e vai enfrentar sua segunda batalha contra a leucemia, esperando por um doador de medula.

No ano passado, quando o pequeno Kaydin tinha seis meses, foi diagnosticado com um tipo raro de leucemia. Após meses de tratamento intensivo, ele entrou em remissão, mas a doença voltou. Agora, a família procura por um doador de medula óssea.

Brasil

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, os tumores mais frequentes na infância e adolescência são as leucemias, que afetam os glóbulos brancos, os do sistema nervoso central e os linfomas. No Brasil, o câncer é a primeira causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos. Estima-se que ocorrerão 12,6 mil novos casos de câncer infantil no País ao ano em 2016 e em 2017

Fonte: IG