A crença na saúde

Por Adriano Munhoz

Somos seres puramente energéticos, formados por uma anatomia sutil e energética extremamente complexa. Assim como temos nosso corpo material e órgãos físicos, também dispomos de corpos e órgãos energéticos e sutis.

Toda esta estrutura está em constante comunicação e integração. O que se passa em nossos ambientes energéticos influencia diretamente nossa entidade física e material.

Atualmente até mesmo a ciência e a medicina convencional já aceitam esta “hipótese”, de que dispomos de uma anatomia sutil que existe além da matéria. Este pode parecer um conhecimento moderno e atual, mas o que se diz hoje sobre a nossa anatomia sutil já era conhecido há 6.000 anos atrás. O desenvolvimento da ciência nos levou a questionar e duvidar deste conhecimento milenar, que esteve presente em todas as culturas, desde os primórdios da experiência humana sobre a Terra.

E essa nossa anatomia energética é impactada e alimentada pela nossa consciência! Tudo aquilo que acontece no âmbito das nossas emoções, sentimentos e pensamentos irá certamente gerar consequências em nosso físico.

Todas as principais linhas terapêuticas, e até mesmo a medicina, já postulam sobre o impacto das emoções sobre nosso corpo físico. Escutamos regularmente que a raiva pode afetar o nosso fígado, que a tristeza enfraquece os pulmões, que a ansiedade adoece o nosso estômago, que o medo perturba os nossos rins. Existe uma lista enorme de manifestações físicas que são resultado de realidades emocionais.

Vários autores mundialmente renomados falam com propriedade sobre isto, como o Professor Massaro Emoto do Japão, com sua obra “Mensagens da Água”, onde ele relata o impacto das emoções humanas sobre a forma da molécula de água. Como o Dr. Bruce Lipton, cientista americano que em seu livro “A Biologia da Crença” fala sobre como emoções, pensamentos e crenças interferem em nossa química corporal.

A questão agora é, se já aceitamos a hipótese de que nossas emoções e pensamentos podem nos adoecer, porque ainda é tão difícil aceitarmos que esta mesma força, este mesmo mecanismo, possa nos curar? Se algo que habita o nosso universo emocional pode gerar em nós uma doença física, será que uma emoção diferente, de mais alta vibração e qualidade, não poderia nos curar e manter nossa saúde?

Um grade paradigma precisa ser mudado, rapidamente! Vivemos uma época em que se solidifica cada vez mais uma Crença na Doença! Somos constantemente bombardeados por informações que geram em nós quase que uma expectativa de adoecermos. Podemos adoecer a qualquer momento porque consumimos alimentos contaminados por agrotóxicos, porque vivemos todos com alto nível de estresse, porque habitamos cidades poluídas, porque estamos em contato constante com químicos nocivos e plásticos de toda espécie. Já pensamos que podemos adoecer até mesmo em função da contaminação eletromagnética.

Nunca se investiu tanto em pesquisas sobre o Câncer e nunca tivemos índices tão alarmantes desta doença. Hoje já se diz que uma em cada três pessoas irão desenvolver algum tipo de Câncer em algum momento da vida. Ouvindo este tipo de informação, quase que nos colocamos conscientemente nesta “lista”.

Quando é que iremos desenvolver uma Crença de Saúde ao invés de alimentarmos uma crença de doença? Quando é que o foco de toda a mídia e da medicina convencional mudará para aquilo que nos torna mais saudáveis?

Se podemos adoecer tão facilmente à partir de nossas crenças, pensamentos e emoções, temos todos a mesma capacidade de nos curarmos! Basta apenas mudarmos em nós os padrões que nos levaram a adoecer. Simples assim!

Mudanças nos hábitos de vida, abandono de vícios nocivos, alimentação mais saudável, contato com a natureza, desapego material, resolução de questões emocionais conflituosas, equilíbrio emocional, a prática do perdão e da gratidão, tudo isto tem um potencial e uma força de cura incríveis, basta colocarmos em prática. E esta prática envolve compromisso, comprometimento, paciência, dedicação! A cura, assim como o adoecimento, é algo que vamos construindo aos poucos.

Que em 2020 tenhamos todos uma Crença de SAÚDE! Que possamos todos acreditar que a Cura é algo possível.