“O corpo tem suas razões”

Foto por: Ricardo Wolff

Cats queridas, na postagem dessa semana a nossa querida colunista e coach em resiliência, Diana, fala um pouquinho sobre o livro “O corpo tem suas razões” e sobre a questão do corpo como nossa casa. Tá super legal! ?

“Olá Cats!

Hoje quero comentar com vocês a espeito de um livro muito interessante que fala sobre o nosso corpo e as razões de nossas enfermidades, dores e desconfortos de todos os tipos.

O livro chama-se: “O corpo tem suas razões” da Therèse Bertherat” que trata da antiginástica e da consciência de si.

Ela diz que o corpo é a nossa casa que abriga as nossas mais recônditas e reprimidas lembranças e que nasceu harmonioso, dinâmico e feliz, mas que aos poucos foi sendo substituído por um outro que aceitamos com dificuldade.

Sem perceber, desde que nascemos reagimos a pressões familiares, sociais, morais e a gente vai adaptando-se, reprimindo-se e até mesmo se deformando… E assim vamos vivendo e criando distorções em nosso corpo sem nos darmos conta de como pode ser prejudicial…

Mas, segundo a Therèse, podemos mudar esse quadro e nos libertar dessa programação do nosso passado e assumir o próprio corpo para descobrir possibilidades até então inéditas.

“Ser é nascer continuamente.”

Ela diz que no decorrer de nossa vida, vamos delegando a outros, como pais, filhos, médicos, psiquiatras, maridos, mulheres, a orientação e a responsabilidade pelo nosso bem-estar, nossa saúde, segurança, prazeres. E pouco a pouco vamos nos enrijecendo e nos afastando da nossa casa, do nosso corpo, e quando renunciamos à autonomia, abdicamos de nossa preciosa soberania individual.

Mas, segundo Therèse, podemos reencontrar a chave do nosso corpo, tomar posse dele e recuperar o controle da nossa vitalidade e saúde.

Como? Tomando consciência de que o nosso corpo somos nós, somos o que parecemos ser, e não o que não podemos ver.

Não podemos aceitar rótulos que nos impõem, mas ter a coragem de nos olhar e procurar entender as razões de nosso próprio corpo através de nossas sensações. Temos que nos aceitar, nosso corpo é nossa única realidade perceptível, ele não se opõe à nossa inteligência, sentimentos, alma, pois corpo, espírito, psíquico e físico, e até força e fraqueza, representam não a dualidade do ser, mas a sua unidade.

Através de um método, que o livro explica bem, ela propõe movimentos de dentro para fora, movimentos que desenvolvem a inteligência muscular, e aos poucos, vão promovendo um realinhamento corporal e consequentemente um maior equilíbrio emocional.

“Você pode despertar seus cinco sentidos, aguçar suas percepções. Ter e saber projetar uma imagem de si mesmo que o satisfaça e que lhe mereça respeito”. Therèse Bertherat.

Então, para finalizar, recomendo a leitura desse livro, simples, fácil de absorver e que pode ser de grande utilidade para despertar a consciência de seu corpo e de si mesma.

Fiquem bem. Abraços

Diana Vilas Boas

Coach em resiliência”