GUENDA

Sou Guenda, tenho 49 anos e estou em tratamento de câncer de mama.
Como tudo começou…
Faço meus exames regularmente e início deste ano (2017) fui surpreendida com um nódulo na mama esquerda. Tinha feito ultrassom em outubro do ano passado e não apareceu. Já na mamografia feita em janeiro deste ano, o danado estava lá. Então vamos investigar!
Repeti a mamografia bilateral e a imagem era a mesma. Humm?
Vamos fazer outra US? Nesse tempo, descobri que o tal de BIRads que sempre via na US e nunca dava importância, é um parâmetro importante para o diagnóstico (a gente só mergulha numa questão quando ela tem algum significado para nós kkk). E esse BIRads, grosso modo, tem uma classificação, BIRads de 0 a 2, sinal verde, vc está ótima! BIRads 3, sinal amarelo, fique alerta! E de 4 em diante, sinal vermelho, câncer! Fui pegar o resultado da US já sabendo disso e na torcida pra ser pelo menos o 3, meu Deus!
O resultado deu BIRads 4C e sabia que não era animador. Confesso que esse foi um momento difícil. Estava com minha mãe, coitada, já atenta tbm ao tal do BIRads, mas enfim, passado o choque inicial, saímos com o pensamento de confiança na espiritualidade, tudo vai dar certo! E parti para a última etapa da investigação. A core biopsy.
Fiz a core biopsy, exame chatinho que dá umas grampeadas pra retirar pedacinhos do tecido do nódulo, dói..Numa dessas, dei um grito que o médico, disse: Eita, esse foi bater no coração, né? O resultado só sai com 10 dias, haja ansiedade. Porém depois do BIRads 4 eu já estava meio que preparada para enfrentar o que viesse.
Engraçado que eu estava num momento de muita mudança em minha vida, abrindo um parêntese para vcs imaginarem como estava meu emocional, um namoro de 7 anos e finalmente resolvemos morar juntos. Ele estava mudando para minha cidade, atravessando o país de mala e cuia e acompanhando tudo à distância.
O resultado da biópsia saiu justamente no dia em que meu amor chegou pra ficar. Combinamos de controlar a ansiedade e só abrir o exame na consulta com a mastologista. Pois bem, no dia seguinte estávamos os dois de mãos dadas no consultório quando a médica nos falou que o resultado foi positivo.
Não desesperei, mas fiquei meio fora do ar por alguns instantes, parecia que estava vendo alguém falar sem som, só o gesto da boca, bla, bla, bla kkk. E olha que pensei que não seria surpresa.Ter alguém junto nesse momento é importante pois além do apoio é muita coisa para providenciar…
Daí começou a maratona de exames para a cirurgia. A médica nos explicou que o tumor estava bem no início e que a cirurgia seria reparadora. E fiz “A pergunta que não quer calar”. Vou precisar de quimioterapia?? Talvez!
Ahh isso me deu mais medo de enfrentar do que a própria doença, mas já cortei as madeixas pra ir desapegando kkk
Fiz quadrantectomia em março/2017 e minha recuperação foi excelente. Alta no dia seguinte, cicatrização ótima.
O material colhido na cirurgia vai para análises, histopatológico e imunohistoquimico. Esses exames é que vão direcionar o tratamento pós cirúrgico. Vamos aguardar os próximos capítulos!!